Eu até posso conceber uma pessoa ser contra o aborto de forma geral, ou mesmo que se posicione contra a prática fora dos casos previstos em lei. É estúpido e fruto de ignorância, mas ainda assim dá pra passar.
Mas querer obrigar uma mulher a sacrificar sua própria vida ou forçá-la a ter o filho de seu estuprador é algo desumano, doentio, perverso. Esses ditos “evangélicos” são do mesmo nível de psicopatia de radicais do Estado Islâmico.

O quadro das eleições do ano que vem é tenebroso. É preciso extirpar esse câncer do nosso congresso com urgência. Se continuar nesse passo, vamos virar o que o Irã virou no final dos anos 1970.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui